REDESCOBRIDORES DA ALMA!

sábado, 11 de março de 2017

Mergulho By Patrícia Pinna



Contemplara a lua mais cheia 
Do que os seios de uma grávida
Na bênção da divindade prateada
Ouvira seu som com o fervor de uma donzela

Deitara seus olhos negros mistério profundo
E, bem a fundo, sua imaginação criara a festa
Complemento de emoções intrínsecas, pulsantes
Surgira como a um servo protetor e acasalador
Das mais doces e emblemáticas histórias de amor

Embalsamara seus devaneios, jogara fora os receios
Quisera jamais acordar e vivenciar outra realidade
Uma vez que, sua força poderia ser pequena demais
Temera isso acontecer, jogara seu corpo nos lírios
Confundira sua pele alva com a das flores

Pedira socorro com toda devoção
Pedira paz com toda intensidade
Pedira amor com toda lealdade
E, a paixão, como elo de um cordão
Pedira luz, jejuara, orara, desejara
Que o encanto intacto e reluzente não esmorecesse.

Autoria: Patrícia Pinna
Imagens: Internet.




domingo, 19 de fevereiro de 2017

O Nascimento da Estrofe By Patrícia Pinna



Uma estrofe quer NASCER 
Versos por prazer da felicidade
Na contramão dessa apatia
Nada existe que pulse, pulse, pulse
Nem o luar, as muitas estrelas que nada dizem
Intocadas, permanecem no firmamento, ao relento

As células querem dividir-se em surto de loucura
Uma alegria INFLAMADA
Com a passagem dos pássaros na CLARIDADE
A efemeridade não permite que assim seja
E, o "amém", sufoca nos anseios de vida

Bálsamo inexistente, um olhar pardo
Desses que lançamos em dia nublado
Numa inércia que os céus veem e lamentam
Na rouquidão expressiva da voz

Nem os seres angelicais emanaram a presença interior
Decodificadores em sutis momentos de entusiasmo da alma
Vivenciara o último suspiro
Vestindo-se de pranto destruidor
Regado com o inverso do nascimento, grade
Assim, abriu os olhos sem vontade!


Autoria: Patrícia Pinna (Todos os direitos autorais reservados)
Imagens: Internet.





sábado, 28 de janeiro de 2017

Vultos By Patrícia Pinna



Muito é devaneio, pouco é receio, imensidão de descrédito
Nessa parda vida de humanidade esquecida de laços
Passos largos, pressa da vida, faz-se dia, faz-se noite
Os céus não são os mesmos, as estrelas quase não iluminam
O mais infeliz dos réus esperando sua sentença

Tenta crer na bondade, mas  que nada, veste-se profana
Rasgando a sua esperança, deixando-a em retalhos
Sem agulhas  e linhas para coser esse bem-querer
E, arredia, caminha para esmorecer no sinistro abismo

São olhos, ouvidos, bocas, pés e mãos inertes
Não veem o outro, não escutam
Não vão ao seu encontro
Não  tocam
Oferenda que não possui serventia
Tudo fica frio!

Parece que houve um descarte, uma rejeição
Vultos frequentes numa solidão
Onde nada passou de uma aparição
Não tem mais onde sustentar-se
Ficaram as lembranças!
Oh, fragilidade do ser!

Autoria: Patrícia Pinna(todos os direitos autorais reservados)
Imagens: Internet



domingo, 11 de dezembro de 2016

Indecifrável By Patrícia Pinna



Crava-me a carne a face obscura do meu sentimento
Seca-me os olhos a lágrima que não desliza mais
Aquece-me a ira como a um vulcão
Lança-me ao precipício a minha incompreensão

Tece com a lã mais grossa
De um carneiro gordo, agora abatido
A vergonha imbuída  no mais alto escalão
A fome, a sede, a volúpia e a solidão

E, visto-me de sangue, dispo-me da saúde e sigo destemido
Ao encontro do que nem sei nominar, desejando decifrar
A morada do meu inconsciente, veemente filho de Zeus!


Autoria: Patrícia Pinna
(Todos os direitos autorais reservados)
Imagem: Internet



domingo, 6 de novembro de 2016

Feito Mar By Patrícia Pinna



Solidão, é tal qual mar, profundo e misterioso
Uma contemplação intensa,parte de mim
Transparente como a verdade
Que um dia abarca no porto
Com gemidos silenciosos.


Autoria: Patrícia Pinna(Todos os direitos autorais reservados)
Imagem: Internet

sábado, 22 de outubro de 2016

Cores By Patrícia Pinna

           

As muitas cores do espírito 
Vestem meu corpo como eu deixar
Vislumbram o verde-escuro, o branco e o vermelho
Pincelam de negritude e suas virtudes

Inexiste em uma mesma alma só a claridade
Sabedora disso, tudo cai a mim muito bem.
Irritante chega a ser quem a isso nega
Pensam que tudo é feito de sol
Que as nuvens não existem
Lágrimas são só de felicidade
E os fantasmas não nos vem perturbar

Minha casa é uma rocha bem forte
Sustentadora de todos os meus sentimentos
Residente em uma caverna imensa
Emana luz dela, vejo o resplandecer nas pedras
Na sua areia percebo a aurora
E, tudo lá fora, encaro do jeito que for
Abraço a mais bela flor ou choro sua morte

Planto sementes esperando ser fértil o solo
Se desespero, é no tempo certo, volto ao eixo
Respiro e suspiro o ar da montanha, seu verdejar
E, as cores, vou equilibrando neste Universo
Sem pressa, caminhando e evoluindo em cada cor!

Autoria: Patrícia Pinna(todos os direitos reservados)
Imagens: Internet



sábado, 1 de outubro de 2016

Sabotagem By Patrícia Pinna


Vivenciar o amor, saboreá-lo em todos os seus gostos
É como tentar alcançar o seu sentimento selado
Em descrédito, em confusões e dissoluções

Pequena dama, grande alma
Sede de tudo, fome do nada
Labirinto toma a forma  o seu coração
Esquece-se da razão, indaga: -"Quem é ela"?

Perdida quase sempre, feliz vez em quando
Esporadicamente passageira de luz
Mora mais no abismo das trevas
Todavia, quando pela fresta
Vislumbra um microscópico sorriso
Aventura-se em desatino, emoção sem medida
Distração, coesão!

Deus vela por ela, protege-a da faca carregada consigo
Desarma a teimosia, insensatez, a culpa, a vergonha
Enfatizando o brilho estelar, serenidade
O imbatível compasso da felicidade
Manto mais do que sagrado
Escondido nos meandros da sua própria sabotagem.


Autoria: Patrícia Pinna
Direitos autorais reservados
Imagens: Internet


domingo, 4 de setembro de 2016

Nebulosidade Da Emoção By Patrícia Pinna





Residente em cenário confuso chora a tua alma bipolar
Dor de uma dúvida embebida no fel da incoerência
Dividindo momentos de uma calmaria feita em parceria
Resistindo ao pensamento de que a essência poderia faltar

Ausente está o brilho do teu olhar mudo,manto de feitiçaria

Que hipnotizava-me num resvalo de tua íris apaixonada
Ficando uma sombra melancólica em profundo pesar
Sendo Chronos implacável nos segundos sequentes

E, a nebulosidade da emoção, fez-se impactante tristeza

Fria, oriunda de uma constatação humana tão desumana
Que  há muito não queria ver
Apenas fechar os olhos da consciência
Sendo iludida por ela em momentos de fraqueza

Teu colo transmite o calor que, por ti foi subtraído

Sem cobrar de mim o que não pudesse dar
Apenas envolvendo-me em cuidadoso tear
Aparentemente inofensivo
Onde recebo forma e calor
Nos prováveis fios da utopia!

Autoria: Patrícia Pinna
Imagem: Internet
Vídeo: You Tube



                                                            

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Cantes no Céu, Poeta!


A cor da minha lágrima é vermelha
Meu luto inacreditável, dor imensurável
Meu poeta partiu, parte de mim foi com ele
sem exagero algum, uma falta extrema já está fazendo
e eternamente fará!
Fragilidade de vida, ora respiramos, ora acordamos sem ar
Por mais que faça parte da Natureza, de um ciclo, sempre é muito triste ver alguém a quem amamos, partir deste plano.
Sem engano, minha alma esvaziou-se de alegria
Restará a sua obra imortal, seu talento, sua leveza
A poesia que cantavas tão bem em suas letras melódicas
Sentirei a sua presença em cada canção, como se a meu lado estivesse.
Grato prazer conhecer sua vasta obra, repleta de inteligência e sensibilidade.
Não apenas  o estado de Minas Gerais perde, mas a Nação inteira, o mundo que teve a oportunidade de presenciar o brilho de uma estrela de imensa grandeza!
Como dói saber que não poderei ir a um show seu, tocar sua mão, olhar nos seus olhos...
Como fui salva por você, por suas canções, como chorei e sorri ao escutar seus doces acordes.
Tinha de ser você o escolhido para alegrar o céu, faça isso, poeta, faça! 
Espero que sempre fique bem ao lado de Deus!
Jamais esquecerei você e suas canções, fazem parte da minha existência!
Deus o guarde, abençoe sua nova missão e console os que te amam!
Todos guardaremos a ti na nossa alma, pois és e serás INESQUECÍVEL!
PAZ!
Beijos na sua alma infinitamente linda e poética!


Autoria do texto e frase do card: Patrícia Pinna
Imagem: Internet
Vídeo: You Tube



sábado, 23 de julho de 2016

Mudas Metáforas By Patrícia Pinna



Nem sempre as metáforas verbalizam, soam
O que pretendo passar nas linhas da poesia
Elas são livres, independentes e voam
Em céus límpidos e donas de si, sem parceria

Percebo que a mim não pertencem, possuem vida
São emprestadas num generoso momento
Fértil da criação em várias mãos, não rejeito
Montam versos com significados compreendidos
E incompreendidos na diversidade da alma, aquecidos

Sorvo suas intenções de forma subserviente

É a minha digital de naturalidade proveniente
Vez em quando ofuscada em sua solidão
Lugar de encontro refletindo sobre a existência
Desfazendo-se os nós de preocupante tensão

Quero limpar a minha mente

Aliviar, tornar virgem a retina
Esvaziar a pretensão em surdina
De qualquer coisa desconexa e indiferente

Estou na teia presa da invisibilidade, amargor

Já passei da tenra idade, contudo, sinto nas palavras
O amor possuidor de linda habilidade, estradas
Acalentando meu próprio eu desertor!


Autoria:  Patrícia Pinna
Vídeo: You Tube
Imagem: Internet